Para sentir.

Onde se pode sentir

Aqui você vai ler as nossas colunas em primeira pessoa.

​Vamos compartilhar com vocês o sentir de forma livre, sem julgamentos e sem repressão. Aqui cabe tudo. Do medo à alegria extrema. Da dúvida a descobertas profundas. 

É nesses textos que teremos um tempo nosso, enquanto indivíduos, para sermos quem somos na nossa inteireza. 

Acreditamos que não tem frase melhor para este espaço do que a do poema Todos os sentimentos do mundo, do Carlos Drummond de Andrade, "tenho apenas duas mãos e todos os sentimentos do mundo". Sabemos que vocês também têm. A gente vai abrir nossas caixinhas e convidamos os leitores a fazerem o mesmo.

 

Se permitam sentir. Não há nada mais humano.